Contos

A IRMÃ

Desperto agitado com meu nome sendo gritado no portão. Leeeeee. São quatro e meia da manhã. Ainda escuro. Reconheço a voz, sei quem é, mas não pode ser. Não tem como. Espero uma segunda vez, nada. Silêncio em todo o mundo. Som algum depois do primeiro chamado. Procuro o telefone para ligar, não o encontro, desencano. Fico na cama e encaro o teto descascado. Penso em todas as razões para ter sido acordado dessa forma. Algo sério? Não tem como! Adormeço porque assim tem que ser quando um dia longo se aproxima.

Eu tinha oito anos e talvez essa seja a lembrança que mais tenha viva dela. Mamãe a mandava para a padaria sempre depois da novela da tarde. Bia corria para a porta, fazia graça e abria os braços esperando o irmão mais novo para passear. Eu sabia que ela não iria sem mim. O prazer nunca mudava em relação àquele cuidado todo dela por mim. Na rua, Bia segurava minha mão como se fosse uma mãe. Não era, claro. Só tinha 13. De verdade, no entanto, nunca mais me senti tão protegido como naqueles momentos.

O trajeto até a padaria, ida e volta, não passava de vinte minutos. Não percebia o tempo naquela época. Olhava pra cima e a via, quase sempre sorrindo, os cabelos castanhos, escorridos, compridos, a bermuda velha, a camiseta, ela era a maloqueira e me deixava orgulhoso ser irmão da maloqueira. Ninguém mexia com a Bia. E do jeito dela, havia uma beleza naquela moça que nunca entendi direito.

Tinha chovido de manhã. Havia poças por toda a calçada. Era tarde de uma sexta-feira, eu vestia ainda o uniforme da escola. Minha mãe lavaria só à noite. O ritual de sempre. Mas a Bia era livre, não tinha rótulos, não gostava de regras. E havia uma poça no meio do caminho. Ela acelerou o passo, segurava minha mão ainda, e em seu rosto de menina o capeta aparecia (risos). Quando ela fazia essa cara, eu sabia que ia sobrar pra mim. Sobrou.

Bia, dois passos antes da maior poça que já se viu no planeta, solta minha mão e salta bonito em direção à água. Cai com perfeição, um pezinho do lado do outro pezinho, bem no centro do riozinho e levanta uma cachoeira para todos os lados. Minha primeira reação foi falar o pior palavrão que conhecia na época: “BUNDA”. Era tanta água me afogando que não deu tempo de xingar minha doce irmã. Aí a maloqueira de vez entra em ação e chuta todas as poças contra mim e como eu não era santo e sim irmão dela – muito parecido com ela, diga-se – retribuí o banho forçado. Molha daqui, molha dali. Ensopados. Esquecemos o pão. Encaramos a mãe – que bronca! E nessa hora, de novo, na hora dos confrontos, da tristeza, da briga, sempre, a mãozinha dela procurava a minha. Nessas horas, eu que protegia Bia.

Ninguém chamou novamente no portão. Não havia como. Olhava para o teto de novo, atrasado como sempre, porém o que via era o sol batendo uma luz bonita em Bia cabelos molhados da água de chuva de uma manhã qualquer numa tarde de um bom tempo que, poxa vida, nunca mais…

Contos

COR DE ROSA NA AVENIDA

Zuuuuuuuum. Faço a curva brincando de Ayrton Senna. Até canto a musiquinha e imito o Galvão Bueno. Ainda o dia não chegou na Vila Maria e tenho as subidas e descidas do bairro todas para mim. Opa, desculpa a falta de educação, chefia. Não me apresentei. Minha mãe, a santa dona Amélia (que Deus a tenha) batizou-me (preciso manter a estampa) de Cleidnelsonn. Assim mesmo, com dois Ns no final. Os mano, todavia, chamam-me de Fittipaldi. Zuuuuuummmmmm.

Eu ainda não sabia, mas esse seria meu último dia de vida. Dei azar, claro. Sou do bem, gente honesta, entrego leite todas as madrugadas nas casinhas dos portuga do bairro. Ganho uns trocadinhos com uns bicos também. E no final do mês, tiro o da sobrevivência. Você sabe, porém, que os dias atualmente são de estresse total. Qualquer coisa, brother tá puxando o cano ou tiozinho ta te apavorando. A desculpa de todo mundo é a tal da violência. Bom, me dei mal com ela. Senta aí, puxa a cadeira porque vou te contar o acontecido.

A Cerejeiras estava acabando, desembocando na ladeira bacana da Araritaguaba. Ali me divirto. Desço a milhão e a cachorrada fica doida com o meu vôo. Olha moço, sou doidão na bike, mas nunca desperdicei a mercadoria. Claro, têm uns clientes que acabam acordando, reclamam, xingam a santa dona Amélia (que Deus a tenha) e voltam a dormir. A maioria, no entanto, nem nota a minha chegada. Muito menos, a minha partida. Só a cachorrada que fica naquelas de Mozart, o cara das sinfonias.

Olho no relógio. São três e meia e só faltam as casinhas ao lado do Colégio Sion. Estou um pouco atrasado hoje. Seu Joaquim vai reclamar. Ele reclama sempre. Aquele velhinho acorda com as galinhas. Dou um show nas pedaladas, zuuuuuuummmmm, e só falta a casa do Maneco antes de chegar no seu Joaquim. Detono o freio da bike, seguro o bicho no braço e quase me acabo no muro do Maneco.

Veterano da guerra do Timor, o Maneco chegou na Vila Maria bem antes de eu nascer. Acho que ainda havia o Figueiredo na presidência. Sei não, nunca fui bem nessas coisas de história. Então, o português é boa gente, mas teve a vendinha roubada três vezes mês passado. Por isso, dorme com o trezoitão do lado da cama. Ficou mais traumatizado com São Paulo do que com a Guerra do outro lado do mundo. Que coisa louca né?

E continuando nosso plá, não me acabei no muro do velho. No entanto, derrubei o vaso, entortei o portão, acordei o gato e enlouqueci o pitbull. Cara, era melhor ter batido no muro. Com todo o escarcéu, seu Maneco levantou assustadão da cama. Pegou o meu carrasco (que Deus tenha piedade da minha alma) e saiu dando tiro feito louco. Era balaço pra todo lado. Poxa, três garrafas se quebraram e o pior: duas balas me acertaram. Doeu. Ai como doeu.

Caí duro no chão, já de cara com a saudosa santa dona Amélia. Deu tempo de ouvir o coitado do seu Maneco gritando “meu deus, matei o leiteiro. Matei um inocente”. E, antes de bater as botas de vez, antes do laranja do sol ganhar firmeza no céu, deu pra ver o vermelho do meu corpo se misturando com o branco das garrafas. Um cor de rosa bonito e alegre antes do fim. Zuuuummmmmmmmmmm.

IMPORTANTE: Esse texto é uma adaptação do poema MORTE DO LEITEIRO do gênio Carlos Drummond de Andrade. Só espero que ele não fique puto com a homenagem. Tenho a desculpa de que era um trabalho da faculdade….

Contos

Sophie

 

I cut myself

I cut myself

I cut myself

 

The blade in my vein

Deeply, so deeply

And again, again, again

And again

 

Yesterday,

Today

Everyday

 

I just wanted to feel something

feel the pain, what else?

Oh yeah, feel the pain

The blade in my vein

 

But don’t

 

I feel nothing, nothing, nothing

And more deep,

the blade is dancing…

The blade is burning inside my soul

 

How many times?

Why… ?

I don’t know why

 

Sorry, I’m liar and I’m not a good man

I know why

I’m the guy who killed yourself

Your eyes, they guilt me

I don’t belong to myself

 

Who cares?

 

Ok,

It’s all right

Don’t worry

I am happy

 

All time

Contos

A escolha

Maria corria da vida.

Alguns (ou todos) diziam se tratar de um grande pecado afinal a moça nunca fizera questão alguma de abraçar a graça que lhe fora concedida por aquele que de todos ri.

Cansada, ela de verdade não se importava e por isso apenas fugia, se lançava pra bem longe daquele que acreditavam ser o bem mais precioso. Maria não queria viver, nunca foi sua escolha, nunca foi sua intenção, não queria agora nessa vida, nesse momento, com essas roupas, cabelos e gírias.

Maria não pertencia a nada, a ninguém, a lugar nenhum. O não pertencimento é o que enchia seu peito vazio do desejo de viver. Poxa, essa menina nunca quis a luz… nunca.

Os nove meses já haviam passado. A primeira filha daquela família já deveria ter vindo ao mundo. Que nada. Irritado, o bebê se escondia o quanto podia naquela escuridão que lhe aquecia, alimentava, protegia. Por isso, antes de ser chamada Maria, a criança se recusava a fazer o que os outros queriam que ela fizesse. Não vou nascer e pronto, disse. Se enrolou no cordão de sua mãe e lá ficou esperando pelo fim. Roxinha, roxinha, roxinha. Quando saiu de dentro de sua mãe, agora sim, Maria não chorou, apenas desapontada ficou. O médico feliz disse que ela tinha apenas mais três horas de vida. Foi salva por Deus, um milagre, um milagre. Olha só, Maria, só mais três horas e nada do que aconteceria depois, aconteceria. Aí, Maria, tadinha, chorou sentida, de tristeza, pela primeira vez.

Dias faltavam para a Copa do Mundo começar. Maria gostava de poucas coisas, uma delas era futebol. Era uma menina diferente, seu cabelo sempre curtinho, os peitos crescendo e sua ira idem. Saiu da escola, um frio com cara de frio mesmo gelava seu sangue, ela tinha onze anos e sua cabeça voava longe sempre. Aqui, no lugar que ela estava, nunca era o lugar, entende? Ela sabia que era de lugar nenhum. Descia pela rua, rumo ao ponto de ônibus, olhava pro céu nublado que tinha uns rasgos bonitos de sol que tentavam, tentavam, tentavam passar, mas não conseguia. Gosto dessa nuvem que não deixa o gigante passar, disse a menina. Ela não percebeu em instante algum, só no instante final e aí já não interessava mais, que no caminho contrário subia um daqueles caminhões imensos, pesados, cheios, mas esse estranhamente veloz. Maria fechou os olhos e sorriu, ufa, agora acabou, mas que nada. Alguém (que droga), a puxou no momento exato como acontece naqueles filmes feitos de açúcar.

Maria sentiu só o sopro daquilo que sempre quis.

Caramba, Maria, será você imortal? Ela não acreditava nessas coisas. E foi tirar a dúvida quando chegou aos 20, na verdade, 21. Dessa vez, ela correria tão rápido da vida que só a morte poderia alcançá-la. Era o que a doce e raivosa menina queria, por quê raios ninguém entendia esse seu desejo? Maria não gostava da vida, da dor que sentia forte no peito que nada tinha além dessa dor que não passava nunca. Maria zumbiava e nada mais. Invisível. Quem no mundo pensava em Maria ao menos uma vez num dia qualquer? Quem? Quem? Quem ao dormir falava baixinho como uma oração espero que Maria esteja bem? Ninguém, convenhamos, sem hipocrisia. Maria poderia ser qualquer uma, não fosse essa estranha maratona que trazia consigo desde sempre.

Então, a moça, fez o último teste. Ela não viveria pra sempre, que é isso sim uma maldição e não o contrário. Viver no lugar errado, no tempo errado, na vida errada não é viver. Maria alcançou o topo desse mundo que não lhe pertencia e lá de cimão olhou pra baixo. Viu tudo, todo o planeta,  em silêncio, parecia que agora todos acordavam e notavam aquele pequeno corpo pisado, maldito, de olhar triste que não é ódio, talvez, apenas cansaço, nem sei mais.

Maria não queria viver pra sempre. Ela precisava provar que não era imortal. Então, corajosa como sempre, sim senhor corajosa e não me importa a sua opinião, ela chegou bem na beirinha do fim daquela que era a montanha mais alta daquele mundo. Maria poderia voar se quisesse. Mas ela não queria brincar agora. Chegou ao final da linha. Olhou para baixo novamente. Não sou imortal, pensou, e pulou.

Contos

FICÇÃO

 

Pense numa realidade diferente. Um lugar no qual tudo o que você conhece e aceita como certo é diferente.  Uma dimensão que caracteriza seu bem como mal e seu mal como bem. Pense nesse mundo. Deus é o Diabo. Diabo é Deus. O caminho da ida é o da volta. O caminho da volta é o da ida. Feijão é arroz. Arroz é feijão. Dia, noite. Noite, dia. Sonho é pesadelo. Pesadelo é sonho. Sorriso é dor. Dor é sorrir.

Universo em mutação que restringe sua liberdade, mas releva seus fracassos. Lá, você pode ter o que quer, mesmo sem saber se isso é bom ou ruim. Nesse lugar que não é aqui tudo parece muito com o que há aqui. Mas não é aqui. É diferente. Nessa atmosfera, nos conhecemos no tempo certo, sem mais nem menos. E ficamos enquanto o tempo quis.

Em silêncio…

Isso porque nesse sistema que não é o nosso – mas é tão parecido – o silêncio não é crime, nem dor, nem marasmo, nem fim. Então, lá o que não é igual, é igual. O igual não é o que é igual. Aí, a confusão e o medo não surgem, não têm espaço. Sentimentos frios como esses vagam perdidos como almas.

Almas como a minha que vaga pelo mundo real querendo ser encontrada. No outro lado, eu não preciso ser achado, descoberto.   Simplesmente, estou lá e sei o que estou fazendo. Você também. Nessa paisagem que não é a nossa, a paisagem parece ser a nossa. Mas não. Ali, a escuridão é para ser sentida. No entanto, ela não assusta. O errado é certo. O certo é errado.

Pense numa realidade diferente.

Lá, o fim da história é o início.

O início é ponto final….

Contos

Instantes

10…

O ponteiro dos segundos anda lentamente. Sei tudo o que está por vir. E aceito o destino, mesmo não acreditando nele. O peito dói como nunca, mas não é medo do que está ali pronto para acontecer. È uma dor assim, dor que não existe, que incomoda só quando se respira

 

9…

O ar muda. O vento sossega, mas voltará com força daqui a um momento. É possível ainda olhar para as estrelas. Vejo a lua também. Bonita, grande, tão solitária e melancólica. Como a lua se sente ao olhar para a Terra? Penso nisso…

 

8…

Busco vida nesse fim e sentido para um monte de coisas. Não dará tempo, enfim, para achar resposta alguma. Lá no fundo, uma trilha sonora chorosa lamenta denial, denial, denial… Sou espectador de tudo o que eu sabia que aconteceria um dia. Que bom, dessa vez não tive culpa!

 

7…

Fecho os olhos, mas os abro rapidamente. Não quero perder nada. Minha curiosidade, inquietude e teimosia me levaram a esse momento. Eu fui responsável pela minha vida, apesar do destino, três segundos atrás…

 

6…

Só penso na dor que não existe no peito. E no quanto essa dor dificulta a respiração. Todos correm. Pânico. Mas eu não quero correr não. Estou bem aqui. Cansado para fugir. Nunca fugi… não fugirei agora. ..

 

5…

Vejo os quatro cavaleiros. Eles são ferozes, cruéis e devastam tudo. Tudo. O céu agora é vermelho e as estrelas disseram adeus. Tchau, estrelas. A lua, eu acho, só chorou.

 

4…

Toco o braço da tatuagem. Acaricio como se fosse ela. Um toque leve, discreto, ninguém notaria. Um toque só para dizer estou aqui não tenha medo minha mão vai segurar a sua e queira ou não tudo acabará bem não tenha medo menina eu cuido de você agora no fim e no pra sempre que virá depois disso…

 

3…

Fecho os olhos de novo.

 

2…

Abro esses olhos castanhos que já brilharam por coisas tão simples. Meus olhos disseram tudo sempre. Eles nunca mentiram. Nunca. Meus olhos me entregaram e não me importo com isso…

 

1 …

Acabou. A explosão varre tudo e me leva junto. Só pó resta e não sei mais de mim. Tudo e nada. Assim é o fim.

Contos

Dez segundos que fazem toda diferença… ou não!

E você acha que eu me importo?

Não mais

Com nada, com ninguém, comigo

Então

Atira, atira

Bem aqui ó,

Bem aqui no “meio dos olhos”

Atira, vagabundo

Nunca sentido algum houve em qualquer coisa

Atira, por favor, atira

Tão cansado…

Soou como uma oração tão verdadeira que os anjos do céu baixaram suas cabeças de vergonha por causa do nada que haviam feito antes para cuidar daquele pobre miserável que seria filho de deus se esse existisse…

O homem do revólver nunca entendeu como a vida funcionava

Segurava sua ferramenta de trabalho como sempre

No entanto, dessa vez, desafiado por um fracassado, um perdedor…

Desafiado por aquilo que não era…

Nesse instante, o homem do revólver recuou, tremeu, relutou fazer aquilo que tão bem fazia

Então

O homem do revólver encarou os fundos dos olhos de sua presa

E o que viu? O que viu?

Atira

ATIRA

ATIRA, filho da puta

Nos fundos daqueles olhos

Nenhum brilho, alma nenhuma

Vazio somente

Se procurasse mais fundo ainda,

O homem do revólver ouviria o grito de milhões de demônios clamando pelo fim, mas ele só foi até o vazio e isso já era mais do que suficiente.

O arrepio de morte perpassa todo o corpo do homem do revólver

Ele tem como alvo, como um trabalho, como algo a ser feito alguém que já está morto

Morto, mas vivo

Um vivo quebrado, despedaçado…

Um zumbi… pensa o predador…

Como matar o que já está morto?

Dilema dilema dilema

Atira, covarde, atira

O homem do revólver ama seu velho 38. Por que uma automática? Uma bala, apenas uma. Meu velho e bom 38. Uma apenas é suficiente …

Atira, dessa vez, foi como suspiro lento, longo, profundo…

Silêncio

Um disparo

Sangue e pólvora, pólvora e sangue…

Vida que segue e assim é porque tem que ser e ponto final.

Contos

A LOIRA DO BANHEIRO

pp21

Quando aqueles garotos arrancaram minha calcinha, percebi de fato que não se tratava de um sonho. Fechei os olhos com toda a força do mundo e consegui sair de mim. Me lembrei do tempo em que papai batia na mamãe. Eu sempre fechava os olhos e voava longe. Com aqueles meninos, naquele banheiro fedido, não foi diferente. Eu tinha 13 anos. Quando papai esmurrava mamãe, tinha cinco. Mamãe morreu. Papai, não sei. Ao ficar órfã, minha vózinha chegou do interior para cuidar de mim. O cheiro dela é inesquecível, doce, acalentador. Quando estou de “bico”, procuro pensar na sensação que tinha ao ela chegar perto de mim. Era bom.

Vovó sempre me arrumava para a escola. Dizia que eu tinha de estar sempre linda. Ela penteava meus cabelos “dourados” de uma princesa. Ela dizia isso e me deixava feliz. Meu uniforme estava sempre bem cuidado, merenda gostosa dentro da lancheira. Fui feliz nesses anos. Me complicava em matemática, mas no resto eu ia bem. Vovó se orgulhava dos “10” que tirava em redação. Eu adorava escrever cartas melosas, cheias de romantismo barato, para ninguém. As escondia numa caixa de papelão rosa, em formato de coração. Tinha virado mocinha aos 11. Não foi um susto ver aquele sangue escorrendo pelas minhas pernas porque a vovó e a tia Ceci (minha fessora) já haviam me explicado que isso aconteceria. A partir daquele momento eu era uma mulher. E a vovó completou: “uma mulher dos cabelos dourados”. Foi um dia bacana.

Eu seguia crescendo e me apaixonava pela primeira vez. Guto era bonito, forte, esperto, tinha 16. Já bebia e dizem que já tinha até feito sexo. Eu gostava dele. Contei para vovó e ela pediu para eu me cuidar. “Não sei se gosto desse rapaz!”, disse. Não era ciúme ou implicância dela. Era apenas uma sensação… vovo2 copy

Um dia criei coragem e fiz um poeminha para ele. Coisa boba, coisa de menina. Mas totalmente sincera. “Meu Deus, ele quer me encontrar!” Nunca me senti tão doida quanto naqueles segundos antes de ver o Guto, sozinha. Eu estava apavorada. Queria, porém, estar com ele. “Será que ele já tinha me notado antes?” Eu mal podia me segurar dentro do meu corpo. Queria voar longe de felicidade. Naquela época, estudávamos à tarde. Ele queria se encontrar comigo quinze minutos depois do último sinal. Daria tempo para a gente conversar bastantão antes da turma da noite chegar. “Não sei se gosto desse rapaz!” Lembrei da minha vózinha. Deixei meus cabelos soltos. Uma amiga emprestou um batom bem clarinho e discreto. Estava cheirosa. Meu sapato novinho estava brilhando. Presente da vovó. “Ele ia gostar de mim?”

E sentada ali fiquei entre os pavilhões dois e três. Estava frio. Eram quase seis horas e a noite já tinha chegado. Coloquei o casaquinho que minha avó tinha feito. Estava com o cheirinho dela. Senti saudades. Levei um susto. Deixei minhas coisas caírem no chão, mas não tive chance de pegá-las. Foi tudo muito rápido. Dois amigos do Guto me seguraram com força. “Cadê ele?” Eu tinha medo desses garotos. Eram grandes e encrenqueiros. Estavam sempre na diretoria. Um deles tinha mais de 18. Me apertaram com força e me jogaram para dentro do banheiro do pavilhão dois. Caí de joelhos e bati o queixo no chão. Não estava entendendo nada. Aí, uma voz doce e conhecida quase me acordou daquele pesadelo que se iniciava:

“Quer dizer que a putinha loira quer me dar?”

Era o Guto. Seus amigos riam alto. O eco daquelas risadas naquele banheiro fedido me fez ver papai matando mamãe de novo. Foi ali na minha frente. Tinha cinco anos. Estava novamente paralisada. Não conseguia gritar, chorar. Tremia, tremia, tremia. “Vovó, segure minha mão…”

Quando aqueles garotos arrancaram minha calcinha, percebi de fato que não se tratava de um sonho. Fechei os olhos com toda a força do mundo e consegui sair de mim. Tinha 13 anos. Não estava mais em mim e isso aliviou toda a dor daqueles minutos que não acabavam. “Olha Guto, é cabacinha!” “Oba, é minha. Não tem mais isso no mundo”. “Eu primeiro, eu mando, esqueceram?” Tentei escapar mais uma vez. Um dos amigos do meu primeiro amor acertou um soco no nariz. Me afogava no meu sangue. Num instante, tão instante que quase não percebi, uma gota desse sangue caiu no meu sapato novo. “Deixa, vovó, eu limpo quando chegar em casa”. Tanta dor. O cheiro horrível daqueles animais em cima de mim. Solidão. Quando um deles quebrou meu pescoço não senti mais nada.

“Desculpa, vovó, não vou conseguir limpar o sapatinho novo…”

Ao acordar num mundo estranho, sentia frio. Estava presa naquele lugar. Meu cativeiro eterno. Nunca soube como fora meu enterro. Não vi mais vovó. Não sei há quanto tempo estou aqui. Não sei o que aconteceu com o Guto. Às vezes, me olho no espelho e choro com o que vejo. Meu rostinho todo machucado. Um rastro, um pequeno rastro de sangue que sai do nariz em direção ao queixo que nunca limpa, por mais que eu tente. Olhos fundos. Olhar perdido. Cabelos dourados não mais dourados. Enfim…

… confusa como toda menina de 13 anos.

Tenho medo do escuro. Aprendi com o passar do tempo a deixar a luz desse banheiro acesa quando todas as outras do colégio são desligadas. Não durmo e para não ficar louca, ando em círculos, acompanhando o caminho que a luz faz ao bater no piso. Solidão.

Uma vez, duas, três, tentei me comunicar com um menino. Nem todos são maus ou cruéis como o Guto. Nunca quis fazer nenhuma maldade com eles. No entanto, o susto que levavam era tão grande que os paralisava. Dois morreram de medo. Outro, enlouqueceu. Juro, não era minha intenção. Apenas queria contar a minha história…

Poxa…

Você quer ouvir a minha história?

loira

 

arte: LICIDA VIDAL

Contos

A fé

Quando todos os deuses morreram

Nada daquilo que disseram que aconteceria aconteceu

Raios não riscaram o céu

Crateras não engoliram o mar

Eu, do inferno, a tudo via com um sorriso cínico na cara

Poderia ter feito alguma coisa, mas não fiz, não quis

Que se explodam os Deuses, pensei

 

Maria acreditava em um Deus

Seu papai disse a ela:

“Nosso Deus é o único Deus e não há outro que te salvará quando o fim chegar”

De chupetas e chiquinhas, Maria não entendia as palavras de seu pai, mesmo assim as seguiu

De verdade, não havia para ela outra alternativa,  muito menos Maria sabia que poderia escolher acreditar no que quisesse acreditar.

 

Maria tinha um só Deus e isso a ela bastava.

Quando a guerra na montanha mais alta do mundo teve início, a menina não imaginava ser algo tão sério. Ela sabia que seu Deus era forte, único e aqueles que queriam seu trono nada poderiam fazer.

 

Coitada da Maria, seu Deus não aguentou 24 horas de batalha

Mesmo assim, Maria rezava, rezava, rezava

A Fé de Maria era pura, iluminada e por mais que dissessem a ela “Os Deuses estão mortos”, fingia que não ouvia, que não seria possível um mundo sem seu Deus poderoso…

 

Um dia, Maria acordou,

percebeu um silêncio diferente,

mais profundo,

mais denso,

mais tolerante

afinal o silêncio não é todo o mal que existe no mundo…

 

Maria ouviu esse vazio de som e chorou

Chorou porque agora ela percebia que de fato toda a sua fé não levara a nada

O todo poderoso não tinha poder algum.

 

A consciência das coisas

Maldição

Quero a ignorância da fé cega

Quero a ignorância do não saber

Quero a ignorância…

 

A menina contra tudo e todos,

Contra o silêncio piedoso,

Contra as pedras que voaram contra seu rosto,

A menina rezou, rezou e rezou…

 

Sabia que dessa vez seria diferente,

Ninguém a ouviria, se é que em algum momento, a ouviram

 

Os céticos, os cínicos, os sobreviventes

Olhavam pra Maria

“Pobre menina Maria, enlouqueceu”

 

Quando todos esqueceram seus Deuses,

Maria, a louca, a crente, subiu ao céu,

E na montanha mais alta do mundo, Maria resgatou o corpo de seu Deus…

 

Velou-o

Enterrou-o

Abençoou-o

 

Ah, Maria, pobre Maria…

Contos

A praia

Muito pensei em meu câncer na tarde que passou enquanto longa, longa caminhada fazia naquela praia sem fim, com os pés nus banhados pela onda gelada porque assim deveria ser ela no inverno cinza que pesava em minha cabeça, ao meu lado Calili, a cachorra do mais triste olhar do mundo…

As imagens, os cheiros, a paisagem, a areia molhada, tudo flertava com a melancolia, com aqueles velhos clichês. Não me sentia assim, no entanto. Havia dentro de mim respostas que há tempos procurava e então tudo ficou mais simples, claro, não triste, ok talvez um pouco, mas esse vestígio da escuridão sempre fez parte de mim, de outras eras…

Decidi que nada faria para derrotar minha doença. Não quero tubos me “tubeando”, nem monitores monitorando, nem doutores piedosos oferecendo a última morfina do pacote. Me chamarão de covarde por não lutar, mas essa foi a constante dessa vida que me esvai, lutar… Não quero mais. Estou muito cansado. E fim. Slow motion suicide e por quê não? Dono de meus pensamentos, desejos, assim está acertado. Eu faço o meu final.

Relembrei também todos os erros, todos, todos. A culpa de boa parte deles sempre pesou em meus ombros. Mas também fui capaz de aceitar que falhei porque quis acertar e não o contrário. Nunca pisei em alguém para conseguir algo e isso vale como moeda de troca. Meus pecados, no fim, só fizeram mal a mim portanto eu me perdoo. Segue a vida ou o que resta dela sem peso algum, sem um se sequer.

Arrependimento, ao menos, nunca houve…

Houve segundos dessa caminhada em que minha mente voou aos tempos em que eu era filho de meu pai, do como ele me abandonou e ainda das tantas vezes que baixei a guarda e deixei que ele voltasse e nenhuma atenção tive. Cansa ser rejeitado. Ele, não perdoarei no meu fim e não o quero ao meu lado quando o caixão pobre carregar meu corpo morto…

Minutos pensei no quanto me atirei nas histórias que surgiram, sem medo as encarei, sofri, mas antes de tudo vivi e foi bacana pacas…

Calili corre da onda, é engraçado,  ela toda manca da pata direita, ela tão velha quanto eu, se diverte, late, corre feito boba…  eu sorrio pra ela porque eu mesmo não poderia ter escrito melhor final…

Mas há um epílogo…

E nele, claro, há um menininho que tem os olhos da mãe, mas o nariz é meu, o gênio é meu, a franja é minha, a cabeça dura é minha, o coração é meu, há ainda a menininha que não tem mais a testa machucada, não está mais quieta, melancólica nem bicuda, ela sorri o sorriso maior do mundo, o vestidinho rosa, o cabelo escorrido, liso na testa, que ela tira com a mãozinha fazendo de um ato tão singelo talvez a coisa mais linda que já vi na vida…

Tem ainda a velha senhora de olhos cinza, tão pequeninha, de aparência frágil, mas nada disso, mulher forte, forte, poucas palavras, as que saem de sua boca são as necessárias… linda, linda, linda…

Os três estão lá naquela ponta distante da praia, acenam, badernam, dizem coisas que não consigo ouvir… paro… olho os três e sei que a sensação de eletricidade que perpassa meu corpo é o sinal de que acabou, sim acabou, mas quem disse que isso é ruim, não é não…

Estou voltando pra casa…